Monday, May 27, 2013

1984 - Abril demite até Marcelo Tas

Folha de S. Paulo
Data de Publicação: 13/6/1984
Autor: Antônio Gonçalves Filho
FUNCIONÁRIOS DEMITIDOS, CRISE NA ABRIL VÍDEO
Operando no vermelho, a produtora reformula ''São Paulo TV'', exibido pela TV Gazeta, e anuncia novos programas, em outros canais

Antes mesmo de completar um ano no ar a produtora independente Abril Vídeo experimenta sua primeira grande crise interna com a saída dos mentores de seu programa inaugural, na TV Gazeta, "São Paulo na TV", Fernando Mercadante, diretor de programação, Chico Santa Rita, chefe de redação, e dos apresentadores Paulo Markun e Sílvia Popovic. Não houve, até ontem, demissão formal da equipe, embora o diretor-geral da Abril Vídeo, Roger Karman, garanta ser virtualmente impossível mantê-la no novo programa que deverá estrear no próximo dia 2 de julho, na Gazeta, substituindo o atual (embora conservando o mesmo nome), "por incompatibilidade com as propostas do novo projeto".

Por novo projeto entenda-se, segundo as palavras de Karman, um programa jornalístico "diferente do telejornal que vínhamos fazendo com ''São Paulo na TV' que, como telejornal, mostrava uma série de limitações, entre elas a cobertura quase que exclusiva dos fatos locais". Para ele, o programa "São Paulo na TV" não correspondeu às expectativas da Abril "e não poderíamos continuar mantendo no ar um telejornal para competir com as grandes redes, já que, inevitavelmente, levaríamos desvantagem".

Embora o diretor de programação Fernando Mercadante atribua à reformulação pouca importância - "é algo que ocorre normalmente, em qualquer empresa" - outras pessoas da equipe, como a apresentadora do programa "São Paulo na TV", Sílvia Popovic, afirma não estar disposta a permanecer na Abril Vídeo, "porque será difícil, de agora em diante, acreditar em qualquer projeto com a redução de custos pretendida pela empresa".

Sabe-se que a Abril Vídeo tem operado "no vermelho" (isto é, com baixos índices de audiência) desde a sua promissora estréia na Gazeta e fontes da empresa garantem que o seu Departamento Comercial teria sido pressionado pelos anunciantes, a ponto de promover uma drástica redução em seus custos operacionais (de 30 a 35%), o que afetará, inevitavelmente, o corpo funcional (hoje com 160 empregados, dos quais 47 trabalham na redação de "São Paulo na TV").

O diretor-geral da Abril Vídeo, Roger Karman, não afasta a possibilidade de novos cortes e tampouco desmente estar a empresa tendo prejuízos por operar no vermelho (após um ano no ar, o maior índice de audiência da Abril Vídeo atingiu apenas 8 pontos no Ibope, ficando a média ao redor de 3 ou 4 pontos, caso de "Olho Mágico"). "Por isso mesmo estamos estudando outras alternativas", justifica Karman, revelando os novos planos da produtora independente. "Naturalmente essa operação 'no vermelho' está vinculada ao fato de o programa ser veiculado pela TV. Gazeta, que não tem grande penetração. Nós não somos um canal de televisão, mas sim uma produtora independente que cria programas com o objetivo de obter a maior difusão possível. Já firmamos um acordo com a Rede Bandeirantes, para produzir um programa de debates cuja estréia está prevista para o próximo mês".

Karman não revelou os nomes dos integrantes da equipe de produção desse novo programa, como também não quis adiantar os substitutos de Mercadante, Chico Santa Rita, Paulo Markun (que está de férias, em Angra dos Reis) e Sílvia Popovic, no programa jornalístico que entrará no ar no lugar de "São Paulo na TV". "O que eu posso dizer é que nenhum deles concordou com as modificações previstas (ele não revelou quais) na estrutura do programa, que pretende ser informal, crítico e bem diferente de qualquer telejornal, ou seja, sem tantas reportagens externas".

Nesse último item está implícita uma redução no corpo de reportagem e na redação de "São Paulo na TV", a despeito de Karman preferir não falar em demissões em massa na Abril Vídeo, garantindo não ter a empresa cogitado outras modificações em sua estrutura funcional. "E preciso mudar, porque, ao dirigir nossa programação a um segmento interessado na informação, radicalizamos demais a proposta do telejornalismo".Em outras palavras, a Abril Vídeo parece disposta a incorporar a seu vocabulário a mágica do "variety", que faz as delícias das televisões comerciais norte-americanas. "Há uma tendência de ascensão", conclui Karman, "e queremos ganhar velocidade nessa corrida". Portanto, é melhor sair da reta. A partir de agora, tudo está sob observação na Abril Vídeo, inclusive os garotos do "Olhar Eletrônico".

No comments:

Post a Comment

Followers