Sunday, January 6, 2013

1984 - Pobres gastam quase Cr$ 2 trilhões

Revista Indústria e Prod.


Data de Publicação: 1/1/1984


___________________________________________________________________


O QUE REVELAM ESSES NÚMEROS



Pesquisa sobre consumidor de baixa renda



Pobres brasileiros gastam quase Cr$ 2 trilhões todo mês



"A idéia de que a miséria está interiorizada, escondida em longínquos locais do Brasil, é falsa, pois ela convive hoje ao lado dos maiores núcleos industriais do País" - esta é a conclusão de Paulo Secches, que coordenou, para a agência de publicidade CBBA, urna pesquisa sobre o consumidor de baixa renda. E conclui: "Pelo menos a miséria se encontra extremamente bem distribuída no Brasil."



Os dados dessa pesquisa revelam que aproximadamente 80% da população economicamente ativa (calculada em 43,756 milhões de pessoas) se enquadra como consumidor de baixa renda (até três salários mínimos), detendo apenas 36% da renda total da população ativa. Desses 33,486 milhões de consumidores de baixa renda, 23,36 milhões vivem nas áreas urbanas (70%) e 10,126 milhões na área rural (30%).



A PESQUISA - A pesquisa sobre o consumidor de baixa renda foi planejada por Paulo Secches, para ser desenvolvida em duas fases: a primeira, quantitativa, que de. line o tamanho e o potencial do mercado - já concluída; e a segunda, que procura definir quem é o brasileiro de baixa renda, os seus hábitos de consumo, os seus critérios de escolha de produtos, seus problemas e insatisfações com os produtos e serviços consumidos, seus sonhos e aspirações, seu universo cultural e seus hábitos de mídia.



A primeira fase, de quantificação do mercado consumidor de baixa renda, foi elaborada a partir de dados do censo de 1980 da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - FIBGE. A segunda será desenvolvida nos próximos meses.



Os primeiros resultados revelaram que do total de 119 milhões de habitantes do País, 37% ou 43 milhões e 756 mil pessoas fazem parte da chamada população economicamente ativa, das quais 73% são do sexo masculino e 27% do feminino. Dessa população que trabalha, 74% estão na área urbana e 26% na rural.



Dos 43,756 milhões economicamente ativos, 30% estão concentrados nas nove regiões metropolitanas do País, percentagem que se eleva para 41% caso se considere apenas o total residente nas áreas urbanas.



Considerando apenas o liado da distribuição da população economicamente ativa entre as áreas urbanas (74%) e rural (26%), e o consumidor de baixa renda (70% e 30%, respectivamente), já começamos a perceber que talvez o mercado de baixa renda não esteja tão disperso geograficamente, nem tão interiozado como poderia parecer. Pelo menos a nível de urbano e rural, tanto a população economicamente ativa como um todo, como o consumidor de baixa renda, se encontram semelhantemente distribuídos.



Os dados revelam ainda que o consumidor de baixa renda se encontra quase igualmente distribuído pelos diferentes Estados e regiões do País, "o que nos permitiria concluir que, sem dúvida, pelo menos a miséria se encontra extremamente bem distribuída no Brasil", comenta Paulo Secches. Enquanto 30% da população economicamente ativa reside nas nove regiões metropolitanas do País, aproximadamente 32% do total da população de baixa renda existente no Brasil também se concentra nessa região.



MARKETING ESPECÍFICO - Paulo Secches defende a tese de que é necessário se criar um marketing voltado especificamente para o consumidor de baixa renda -- o que até hoje praticamente não ocorre - considerando que a renda mensal total disponível na mão desse consumidor tem alguma destinação: "ou a sua sobrevivência, baseada em produtos ou bens reais, ou à realização hoje de um sonho sonhado ontem".



Os valeres do tamanho desse mercado, diz Secches, parecem evidenciar que ele existe e é de porte significativo: renda mensal total disponível na mão do consumidor de baixa renda todo final de mês é de Cr$ 1,7 trilhão, ou de Cr$ 20,4 trilhões ao ano.



A pesquisa levantou também o valor da renda mensal total disponível todo final de mês de alguns segmentos desse mercado de baixa renda: consumidores urbanos - Cr$ 1,28 trilhão; consumidores masculinos - Cr$ 1,22 trilhão; consumidores femininos -Cr$ 529,171 bilhões; consumidores do sexo masculino que vivem na área urbana do País -- Cr$ 818,6 bilhões; consumidores femininos na área urbana - Cr$ 467,7 bilhões; consumidores de baixa renda no Estado de São Paulo - Cr$ 432,1 bilhões; os de Minas Gerais - Cr$ 202,89 bilhões; os do Rio de Janeiro - Cr$ 192,95 bilhões; os da Bahia - Cr$ 121 bilhões; e os do Rio Grande do Sul - Cr$ 133,3 bilhões.



A pesquisa considerou como população economicamente ativa as pessoas que trabalharam nos 12 meses anteriores à data do Censo de 1980, mesmo que na data estivessem desempregados, em gozo de licença de férias, ou presas aguardando julgamento. Também foram consideradas nessas condições as pessoas com dez anos de idade ou mais que, na data do Censo, estivessem procurando trabalho pela primeira vez.



No comments:

Post a Comment

Followers