Friday, July 2, 2010

1980 - O Estado da TV

Jornal do Brasil
2/4/1980
Maria Helena Dutra
===============



TELEVISĂO, COMO VAI?


Na Educativa existem maus rumores de mudanças. Os boatos anunciam que por lá pode vir a ser implantado uma linha popularesca de programaçăo. Torço pela imobilidade. Se ainda năo realiza produçőes ideais, esta estaçăo estava parecendo entender o seu caminho diferente, educacional e de cultura. Se entrar em atalhos, e tentar ficar igualzinha à Tupi, năo vai ganhar audiência nenhuma e perder o prestígio que estava começando a adquirir. Na prática os sintomas năo săo tăo alarmantes, pois anuncia que fará na Semana Santa uma cobertura detalhada de acontecimentos religiosos e regionais. Que tenha intensidade e compreensăo. Também está incrementando suas relaçőes com a TV Cultura paulista, e por isto poderemos ver coisas boas que também por lá foram realizadas. A atraçăo mais interessante deste pacote é o História da Telenovela. A televisăo se avaliando com seriedade é uma boa perspectiva.

Na Globo tudo é repetiçăo de 79. Com só uma exceçăo. A estréia em 7 de abril da TV Mulher que, de nove ao meio-dia, vai fazer diariamente mais uma revista feminina. Portanto, a originalidade deve ficar só com o horário. Pelos quadros já divulgados do programa, mais de 20, é uma mistura do que Edna Savaget, Xênia Bier, Maria Teresa Gregory e outras já realizaram há muito tempo no veículo com atraçőes costumeiras dos programas radiofônicos matinais tipo Haroldo de Andrade e Cidinha Campos. Esperamos que tudo dê certo e que nós possamos ter boa companhia nas manhăs e năo apenas sermos utilizados para elevaçăo dos preços dos comerciais.

Como todos sabem, a Tupi vai mal, obrigado. Enquanto apronta mais uma festa de Misses (será que ainda lêem Manuel Bandeira e o Pequeno Príncipe?), tem seu maior sucesso popular com Aqui e Agora, durante as tardes, que é encerrado com Wilton Franco rezando a Ave-Maria...Năo se precisa dizer mais nada sobre o programa.

Apesar de alguns defeitos, Abertura é ainda, sua produçăo mais interessante na qual Tarcísio Holanda definitivamente se estabelece como o melhor entrevistador da televisăo. Seu trabalho com Flávio Marcílio, Presidente da Câmara dos Deputados, foi um primor neste sentido. Poucas palavras para apresentar, perguntas incisivas e atençăo nas respostas para o encaminhamento de outras questőes. Posiçăo frontalmente oposta à de Flávio Cavalcanti que fez, domingo passado, a pior entrevista do mundo com o Ministro Mário Andrezza. Apresentaçăo prolixa e bajuladora e nenhum dado ou assunto relevante em seus longos minutos. Parecia um minueto de delicadezas e inconseqüęncias, agravado pela imagem do rosto do Ministro sobre a Ponte Rio-Niterói. Tal e qual antigo cartăo postal.

A Bandeirantes, agora, muito mais interessada em montar sua rede pelos principais Estados do Brasil do que fazer algo pela programaçăo. Novidade por lá só o Drácula, vampirizado pela Tupi, como próxima novela. Como seu jornalismo continua confuso, é um entra e saí ininterrupto, resta apenas Hebe Camargo. Bem superior ao causado Chacrinha e ao insuportável Moacyr Franco.


HEBE - Aos domingos, ela ri muito, elogia todos sem distinçăo e pergunta muito pouco. É um mundo tăo ficticiamente alegre, feliz, rico, carinhoso, engraçadinho e colorido, que chega a ser muito divertido.

Notícia na TV Studios só acontece quando o projetor quebra. Junto com a Record paulista, mantém seus pontinhos de audiência com velhos filmes descoloridos, pelas incontáveis exibiçőes, e seriados velhos. Pior é que e dose dupla é melhor do que o o Homem do Sapato Branco, sensacionalismo antigo e gasto, e programa dominical do Sílvio Santos, que continua tratando calouro como débil mental e jurado como grande personalidade. Duas singulares e terríveis produçőes nacionais deste canal de măo única. Pois quase só importa. Será soluçăo?

No comments:

Post a Comment

Followers